quarta-feira, 28 de outubro de 2009

O QUE O MUNDO NÃO CONSEGUE VER

O presidente Obama ganhou o Prêmio Nobel da Paz, um fiasco porque todo mundo sabe muito bem das suas guerras, Iraque, Afeganistão em andamento. E nada que se prometeu até agora tem sido cumprido. Guantânamo continua lá a tirar o sono de muita gente, e isto a Anistia Internacional não tem visto. As tropas no Iraque até janeiro como o prometido, estão muito longe de deixar aquele pais. A recuperação da economia americana é a prova do amadorismo insolente, até pareçe que estão seguindo a cartilha de Hugo Chaves em Wall Street, porque estatizaram tudo. Tudo para por em prática a Nova Ordem Mundial, onde o Estado é o detentor e mentor de tudo. Mas e a tal Paz onde fica? A ONU diz que é graças a ele tentar diminuir o armamento atômico no Mundo. Mas o que estamos acompanhando ultimamente é o inverso disto, a exemplo do Irã agora. E a Coréia do Norte que já há muito tempo, se deleita com os presentinhos do ocidente, que está refém do seu ditador. Todo mundo lembra daquele episódio das jornalistas reféns, que então Bill Clinton teve que ir lá levar algumas guloseimas e acariciar o ego do ditador Kim Jong. Bem, o que temos visto é uma escalada mundial em busca de se armar e defender-se de um inimigo invisivel. Em alguns momentos, olhando os diplomatas em seus desafios, até parece estarmos vivendo na antiga Guerra Fria. Aqui na América Latina, a exemplo disto temos visto todos os países na sua busca armamentista: Chile, Colômbia, Equador, Venezuela, Brasil, até o Paraguai, que cedeu território para estalação de 2 Bases Americanas. Como disse, o General James Jones, assessor de segurança nacional de Barack Obama: "Nossa preocupação é com a Tríplice Fronteira." Se referindo a divisa Brasil, Argentina e Paraguai. O Brasil preocupado com a superioridade dos armamentos adquiridos pelos seus vizinhos, a exemplo da Venezuela, que também tem Amazônia Legal e alertado para o perigo eminente de invasão das istalações de subtração de petróleo do pré-sal, vai modernizar os seus armamentos sucateados e possuir novos caças, navios e submarinos. Dizem que será gasto até 8 bilhões de dólares, segundo o ministro da Defesa brasileiro, Nelson Jobim, sobre a estratégia de defesa nacional. Para o ministro, falta fechar prioridades e considerar a capacidade do país. "O problema do nosso Exército é a fronteira oeste, mas as grandes bases da Força estão no leste. A decisão de política pública está tomada, a Amazônia é a prioridade." As compras estão sendo motivadas fundamentalmente pelos esforços para substituir ou modernizar, para manter a capacidade existente, responder a ameaças predominantemente de segurança interna, fortalecer vínculos com governos fornecedores, aumentar a capacidade da indústria nacional armamentista ou fortalecer a imagem regional ou internacional. Incrível que o que o país gasta com educação anual, não chega nem perto deste montante. Os pesquisadores consideram que não há motivo para alarde: a América do Sul continua sendo a região que menos compra armas no mundo. “Apesar das manchetes chamativas e de certos indícios de uma atitude de concorrência, o certo mesmo é que a América do Sul se encontre em meio a uma corrida armamentista clássica”, destacam. O que nos chama atenção, é que isto ocorre no mundo todo, veja a União Européia com a OTAN e seu escudo anti-missil. Agora que se imaginava que o continente estava unificado em seus objetivos e conquistas o que se vê é o contrário disto. Até não se discutia mais a adesão da Turquia ao bloco-europeu, mas nos últimos dias, depois que a Turquia barrou as IDF de realizarem treinamento junto a IAF, antes disto o presidente Barack Obama fez uma visita a Ancara, onde efetivamente endossou a islamização da política externa turca que passou de membro da OTAN para os braços dos mulás de Teerã. A corrida armamentista é verídica em todos os governos do mundo, pena que a ONU não quer ver o que já é cenário para a industria do armamento. A verdade mesmo é que os funcionários da ONU, tem sido vítimas desta guerra silenciosa. Na Africa, Asia, exemplo disto este atentado no Iraque e Paquistão onde o terrorismo não dá trégua. A verdade é que o arsenal nuclear do Paquistão está em perigo de cair em mãos do Taliban e da Al-Qaeda. Se isso acontecer, a proliferação nuclear islâmica terá entrado numa nova fase, a do terrorismo nuclear poder se tornar uma realidade avassaladora. Enquanto isto o Nobel da Paz, Husseim Barack Obama e suas Obama's políticas são um desastre em ambas as frentes interna e externa, por isto digo que ele bem mereceu o seu Nobel da Paz, de uma ONU que faz jus a sociedade que é: dos 186 países que representa, 4/5 são países não democráticos. Que fizeram deste Nóbel uma charge para uma América débil, que não sabe mais entre o certo e errado, entre o bem e o mal. Que não sabe mais os pricípios que nortearam e levaram a sua criação como Estado livre e Democrático. Afinal, como disse o sábio: "se você quer a paz, então prepare-se para a guerra." Shalom v'shalom a todos! Lembrando que a verdadeira shalom não é a ausência da guerra, mas um estado de espírito que O Santo de Israel realiza em nós, em meio a adversidade.

6 comentários:

  1. I don't understand a word but that cello....

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo belíssimo espaço!
    Obrigado pela sua visita e por está seguindo "Pelo Corredor da Escola".

    Um grande abraço!

    Prof. Israel Lima

    ResponderExcluir
  3. De grande essência seus posts, parabéns. Estarei acompanhando seu blog e obrigada pela visita ao meu.

    Abs.

    ResponderExcluir
  4. Não fez sentido nenhum. Simplesmente porque a ONU não dá prêmios. O Nobel é conferido por uma fundação sueca.

    ResponderExcluir
  5. Em meio a esse caos mundial, politicamente falando,tenho acompanhado e pesquisado grupos radicais, etnias, e perfis de pseudo- pacifistas. As peripécias de Obama em fazer-se ver, como um líder diplomático, me da náuseas.Tudo faz parte de uma articulação para enganar ao desinformado que estão todos felizes e em lua -de- mel.Ate hoje não entendo como nosso presidente recebeu um,"esse é o cara"e achou-se, porque Obama falou para os incautos, não para quem não tem venda nos olhos,e tem conhecimento que estamos vivendo um dos momentos mais críticos mundialmente falando.Shalom!!! É o que mais precisamos do poderoso de Israel ante tanta hipocrisia em tempos de violência no mundo.[ Lis Brasil]

    ResponderExcluir
  6. Amado: Fiz um comentário acima, e quando postei não sei o que aconteceu. Saiu como Alex disse...[ Lis Brasil]Shalom!

    ResponderExcluir